BNCC ajudará a reduzir as desigualdades educacionais do País, aponta secretário de Educação Básica do MEC

13/11/2017 19:27

O secretário de Educação Básica do Ministério da Educação (MEC), Rossieli Soares da Silva, destaca que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), que funcionará como um guia de referência sobre o que deve ser ensinado nas escolas públicas e particulares do país, irá ajudar a combater desigualdades históricas do sistema educacional, promovendo direitos iguais de aprendizagem.  A expectativa é que o documento, que atualmente passa por mudanças, seja analisado e aprovado até o final do primeiro semestre de 2018.

Rossieli acredita que o documento final irá reformular o Ensino Médio para torná-lo não só mais atraente para o aluno, mas também mais proveitoso, ajudando o jovem a desenhar as várias rotas para ser bem-sucedido como profissional. Além disso, também contribuirá para a formação docente comprometida com as práticas em sala de aula e com o aprendizado dos alunos.

“É preciso mudar a forma de ensinar porque a maioria dos alunos da rede pública tem  conhecimento insuficiente em matérias como matemática e leitura”, apontou Rossieli, que palestrou no 7º Seminário de Educação do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino Privado do Amazonas (Sinepe-AM), que encerrou neste final de semana. Além da BNCC, o evento também abordou gestão escolar, tecnologias e educação inclusiva.

A presidente do Sinepe-AM, Elaine Saldanha, destaca que a forma tradicional de ensino não funciona e é essencial que as instituições percebam que é preciso mudar e colocar em prática modos diferentes de educar. “Para isso, os  educadores devem investir cada vez mais em capacitação, abraçar novas tecnologias, levar criatividade e inovação pra sala de aula e contribuir para o desenvolvimento de competências, como o pensamento crítico, a empatia, a comunicação, a liderança e a ética”, apontou.

Tecnologia na Escola

Entre os destaques do evento esteve a palestra “Levando a Escola Para o Mundo dos Alunos Por Meio da Tecnologia”, apresentada pelos representantes da ForEducation EdTech, o consultor de negócios Luís Carlos de Carvalho e  o diretor pedagógico, Marcelo Lopes. A dupla mostrou que o grande papel da tecnologia na educação é facilitar.

Além de dar dicas de uso das ferramentas oferecidas gratuitamente pelo Google que servem tanto para o dia-a-dia quanto para elaboração de aulas diferenciadas pelos professores e, ainda, otimizar as atividades administrativas, Marcelo apontou que muitas escolas acreditam que apenas levar computadores e outros dispositivos eletrônicos para a sala de aula já está de bom tamanho em matéria de inovação.

“É necessário ir muito além de simplesmente incluir a tecnologia no dia a dia dos estudantes, é preciso inovar nos recursos pedagógicos, de maneira a fazer com que se dê, de fato, um passo à frente na educação dos alunos”, disse o representante da ForEducation EdTech.

Portal Gazeta Do Amazonas (Reprodução autorizada mediante citação do Portal Gazeta Do Amazonas)

Foto: Divulgação