Joana D’arc lamenta a morte de Wilson Justo e cria Projeto de Lei para coibir que outras tragédias aconteçam

28/11/2017 17:43

Na manhã desta segunda-feira (27), a vereadora Joana D’arc Protetora dos Animais (PR), fez seu pronunciamento na tribuna de forma emotiva, representando o Partido da República. Se manifestou com relação a morte do correligionário Wilson Justo, que foi assassinado a tiros pelo delegado Gustavo Sotero, na casa noturna Porão do Alemão, na madrugada do último sábado (25). Segundo a parlamentar Wilson foi uma pessoa que teve um trabalho relevante na cidade de Novo Airão e sonhou em ocupar um cargo de mandato para que pudesse atuar pela coletividade.

A vereadora demonstrou seus sentimentos de solidariedade como correligionária do Partido da República e como amiga de profissão, declarou que todos foram surpreendidos com a notícia e repudia qualquer medida dessa forma, como foi tomada pelo delegado que manchou não somente sua vida, mas a corporação toda, enfatizou que é necessário coibir essas situações.

“Alguns colegas não sabem, mas no início deste mês, no dia de finados, no cemitério, meu veículo colidiu com o veículo de uma pessoa que estava a paisana. Esse caso está na corregedoria de polícia, que em respeito aos meus amigos policiais não levei a mídia. O policial a paisana apontou a arma na minha direção e da equipe que estava comigo, pela colisão com seu veículo, e somente quem está do outro lado da situação, sabe o que é se sentir impotente”, frisou.

“Protocolei ainda ontem, em reposta as solicitações e demandas dos meus seguidores nas redes sociais, o Projeto de Lei nº. 346/2017 que obriga a entrada do cliente armado a assinar um termo de registro e identificação com todos os seus dados, com os dados da arma e impede que ele consuma bebida alcoólica no estabelecimento. Caso aconteça alguma tragédia, seja pelo manuseio dele, ou seja pelo manuseio de terceiros com relação a arma que ele está portando, ele responde civil e criminalmente. Além disso, o estabelecimento tem que fazer a vistoria necessária e não pode vender a bebida alcoólica para essa pessoa.  Bebida e direção não combinam, ainda mais portando uma arma. Já existe uma Lei Federal que proíbe isso, porém, é descumprida”.

“Quero esclarecer que esse projeto de lei não vai resolver os problemas que podem acontecer, porque precisamos do bom senso das pessoas, mas é uma medida para coibir e evitar que mais tragédias aconteçam”.

A parlamentar pediu o apoio para o projeto e ressaltou que as pessoas que freqüentam casas noturnas não podem ficar a mercê do despreparo de algumas pessoas que tem porte de arma, esclareceu que o projeto não visa desarmar o policial, que deve estar legalmente armado.

De acordo com a vereadora o projeto vai ser discutido na casa legislativa, sendo necessário fazer alguma coisa diante de tantas tragédias ocorridas, e é de competência municipal fazer o que se pode, como evitar nos estabelecimentos a ingestão de bebida alcoólica pelas pessoas que portam armas de fogo. A vereadora enfatizou que vai se esforçar e contar com os colegas para que seja uma lei efetivamente cumprida.

Com informações e imagem: Assessoria da vereadora Joana D’arc Protetora dos Animais 

Portal Gazeta Do Amazonas (Reprodução autorizada mediante citação do Portal Gazeta Do Amazonas )

Foto: Divulgação