CORRUPÇÃO: Vereador Tchuco Benício tem diploma cassado pela Justiça Eleitoral, é o mais novo “ficha suja” de Manacapuru

10/03/2018 01:19

Vereador Manoel  Alberto Benício Brito, o “Tchuco Benício”, eleito nas eleições municipais de 2016 pela legenda PTC (Partido Trabalhista Cristão) para ocupar uma das quinze vagas na Câmara Municipal de Manacapuru, foi cassado pela Juíza Eleitoral da 06ª Zona, Vanessa Leite Mota, por captação ilícita de votos.

A decisão foi publicada no DIÁRIO DE JUSTIÇA ELETRÔNICO, edição da última quinta-feira, 8 de março. O efeito é imediato, devendo ser diplomado o primeiro suplente.

Além da cassação, a magistrada impôs a Tchuco Benício multa de 30 mil Ufirs. “Resta provado, portanto, que, na data do fato, o representado, pessoalmente e por meio do pastor da Igreja, ofereceu vantagem pessoal a eleitores, em troca de voto”.

O pedido de cassação do diploma de Tchuco Benício foi proposto pelo Ministério Público Eleitoral da Comarca de Manacapuru, com base no conteúdo de um vídeo no qual o denunciado aparece oferecendo valores em dinheiro em uma Igreja Evangélica em troca de votos. Durante o período eleitoral, na sede da igreja evangélica “Célula da Restauração”, Tchuco Benício foi gravado oferecendo vantagem a vários eleitores em troca de votos.

Corrupção Eleitoral 

Em um dos trechos do vídeo, Tchuco Benício teria declarado: “um parceiro sendo vereador, um irmão sendo vereador iria facilitar muito mais, iria abrir muitas portas pra nós, sem contar que a pior coisa que tem é você precisar de alguém, depender de alguém e não ter que estenda a mão”. E continua: “E eu queria saber se eu podia contar com o apoio de vocês, com o voto de vocês. Na campanha passada, como a Igreja tinha quatro candidatos e a gente tava assim muito espalhado, né? Eu tive que fazer investimentos fora da Igreja, o pastor sabe disso, o pastor sabe disso, tive que fazer um investimento financeiro fora da Igreja e nessa campanha não, eu queria fazer investimento dentro da Igreja. Não tem ninguém gravando não. Deus me livre, né? (…) No dia da eleição a gente quer semear na vida de cada um pelo menos R$ 50,00, na vida de cada um. Por exemplo, você tem dez pessoas dentro da tua casa que votam, R$ 500,00 (quinhentos reais) na tua casa para abençoar. E com esse trabalho você não vai para a rua, eu não quero que ninguém vá pro sol quente fazer boca de urna, nada disso, porque o que eu não quero pra minha família, a gente também não vai querer pra de vocês, é lógica. Não vamos colocar nenhum fiscal vigiando, ninguém, a gente não precisa disso, né? (…) O que é o trabalho que a gente fala? É bencinha. (…) Nos termos aqui quase trezentos votos, só aqui nessa sala nós termos quase trezentos, consolidando, trezentas pessoas, duzentas e oitenta pessoas que a gente vai abençoar no dia da eleição, né? Então é uma retribuição, não é compra de votos.”

Líder evangélico discípulo da Corrupção 

Na reunião realizada na “Célula da Restauração”,  o vice-presidente da Igreja, em apoio ao candidato, também, induziu o eleitor a votar em Tchuco com a seguinte observação: “com o Manuel Benício lá é uma chance muito grande de nossos jovens, de oportunidade para nós. Nós precisamos colocar alguém lá em cima para poder essa pessoa puxar, puxar os nossos”.

Na defesa apresentada por Tchuco  Benício, ele negou que a conversa dele gravada em vídeo na igreja evangélica estaria relacionada a captação ilícita de sufrágio.

Ao dizer que “abriria portas”, por exemplo, Tchuco Benício justificou que iria propor projeto de lei em prol da Igreja e dos congregados.

Veja a decisão na íntegra

DECISÃO JUÍZO ELEITORAL DA 6ª ZONA Thuco Benício

Diário de Justiça Eletrônico

Reportagem, Castelo Branco

Portal Gazeta Do Amazonas (Reprodução autorizada mediante citação do Portal Gazeta Do Amazonas )

Foto: Reprodução do Facebook