Diretores-gerais do TSE e do TRE-AM discutem preparativos da eleição para governador do Amazonas

10/07/2017 21:30

O diretor-geral do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Maurício Caldas, recebeu em seu gabinete, na manhã da última sexta-feira (7), o diretor-geral do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM), Messias Andrade, para tratar dos preparativos e dos custos da eleição direta para governador e vice-governador do Amazonas. A eleição para os cargos está mantida para 6 de agosto. Em caso de necessidade, os dois candidatos mais votados no primeiro turno disputarão o segundo turno no dia 27 de agosto.

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Celso de Mello decidiu, na quinta-feira (6), manter a eleição direta para o governo amazonense. Em 4 de maio, o Plenário do TSE cassou os mandatos do governador José Melo (PROS), e do vice, Henrique Oliveira, por compra de votos nas eleições de 2014. O ministro do STF Ricardo Lewandowski havia suspenso a eleição direta para governador do Amazonas no dia 28 de junho, ao conceder liminar em recurso ajuizado por Henrique Oliveira.

Após a reunião, o diretor-geral do TRE amazonense, Messias Andrade, informou que a Corte Regional, ao saber que os efeitos da liminar dada pelo ministro Ricardo Lewandowski tinham sido afastados, retomou os preparativos para o pleito, já que os procedimentos haviam sido paralisados. Ele lembrou que a logística de uma eleição estadual é muito complexa.

O diretor-geral disse que as Presidências do TSE e do TRE-AM já se comunicaram e resolveram manter a eleição para 6 de agosto e para 27 de agosto, em caso de segundo turno. O custo total da nova eleição para governador do Amazonas permanece em R$ 18 milhões. Messias ponderou que o adiamento da eleição para setembro também implicaria em maiores gastos, inclusive para o TSE.

Ele explicou que os recursos para a eleição são repassados por turno. Já foi enviada ao TRE a quantia de R$ 9,5 milhões, sendo feitas as contratações para o primeiro turno. “Praticamente já consumimos todo o recurso, porque R$ 6,5 milhões já estão empenhados. E ainda tem mais R$ 2,5 milhões que já estão pré-empenhados, ou seja, nós já temos a obrigatoriedade contratual de fechar com as empresas e fornecedores. A partir do momento que acaba o primeiro turno e tem o segundo, na semana seguinte os recursos restantes já vêm, para que possamos manter a infraestrutura para realizar o pleito [em segundo turno, se houver]”, esclareceu Messias, dizendo que, no aspecto administrativo, a eleição “está 80% a 90% pronta”.

Messias esclareceu que, a princípio, quanto aos atos de campanha dos candidatos, permanece o mesmo cronograma eleitoral já definido pela Corte Regional. O diretor-geral do TRE informou que, na reunião com o diretor-geral do TSE, Maurício Caldas, foram discutidos ainda alguns detalhes quanto a equipamentos, como kits biometria, para a continuação, depois do pleito, do processo de identificação biométrica dos eleitores no estado. “Também acertamos alguns aspectos das Forças Federais, que é preciso para 22 municípios, para dar segurança aos locais de votação”, acrescentou, informando que esse pedido logo chegará ao TSE.

Segundo ele, os eleitores podem ficar tranquilos, “porque a nossa missão institucional vai ser cumprida com bastante competência”. “Esperamos que, em 6 de agosto, haja um comparecimento em massa [dos eleitores às urnas] para escolher o novo governador do Amazonas”, disse o diretor-geral do TRE.

*Com informações e imagem: TSE

Portal Gazeta Do Amazonas (Reprodução autorizada mediante citação do Portal Gazeta Do Amazonas )