Livro com artigo de magistrado do Amazonas conquista prêmio “Ada Pellegrini Grinover” na categoria melhor obra coletiva

14/06/2018 15:51

O livro “Dano Temporal: o tempo como valor jurídico” conquistou no último mês o prêmio “Ada Pellegrini Grinover 2018” na categoria Obra Coletiva. Organizado por Maurílio Casas Maia – defensor público do Amazonas –  e Gustavo Borges, a obra conta com artigo do juiz de Direito do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), Rafael Cró e de demais 14 colaboradores.

O prêmio “Ada Pellegrine Granover” é considerado um dos principais prêmios da literatura jurídica nacional com enfoque no Direito do Consumidor e é organizado pelo Instituto Brasileiro de Políticas e Direito do Consumidor.

Neste ano, 14 obras foram inscritas para concorrer ao prêmio que é organizado em três categorias e o anúncio dos livros vencedores ocorreu durante o XIV Congresso Brasileiro de Direito do Consumidor, realizado na cidade de São Paulo no final do último mês de maio.

Além do livro “Dano Temporal: o tempo como valor jurídico” (vencedor na categoria Obra Coletiva), receberam o prêmio os livros “Contrato Existencial”, de autoria de Rafael Bizelli (vencedor na categoria Obra Individual) e “Provocações contemporâneas no direito do consumidor”, organizado por Dennis Verbicaro, Camille Ataíde e Carlos Acioli (vencedor na categoria “Melhor Obra de Coletânea).

Destaque

Convidado para colaborar com a obra “Dano Temporal”, o juiz do Tribunal de Justiça do Amazonas, Rafael Cró Brito – titular da 1ª Vara da Comarca de Maués –, disse que em seu artigo, intitulado “Reflexões sobre o dano em decorrência do tempo (indevidamente) perdido”, busca tratar o tema sob a vertente da responsabilidade civil.

“No mundo atual, ninguém coaduna, ou compactua com a perda do tempo. Há situações, por exemplo, em que o consumidor tenta cancelar um plano de telefonia ou de Internet e leva horas ou até dias para resolver um problema que poderia ser solucionado imediatamente. Isso é algo inadmissível. Em nosso artigo, tratamos sobre este dano temporal pela vertente da responsabilidade civil mas que ganha nos tempos atuais a conotação de indenização autônoma, de instituto jurídico autônomo”, disse o juiz, explicando que todos os artigos do livro propõem uma reflexão sobre a questão.

Para o juiz Rafael Cró, a premiação concedida à obra da qual participa como articulista, evidencia a importância do tema tratado. “Além disso, orgulha o Amazonas, que não tem, ainda, tão grande tradição na literatura específica da área jurídica”, concluiu.

Com informações: TJAM

Portal Gazeta Do Amazonas (Reprodução autorizada mediante citação do Portal Gazeta Do Amazonas
Foto: Acervo do magistrado/reprodução da Internet