COVID-19: Ministério da Saúde amplia transparência na distribuição de equipamentos e insumos enviados aos estados

20/05/2020 06:54

Por Janary Bastos Damacena

 

Para que a população ajude a fiscalizar as ações e esforços do Ministério da Saúde no combate à Covid-19 no Brasil, agora é possível acompanhar a quantidade de leitos de Unidade de Terapia Intensiva, insumos e Equipamentos de Proteção Individual enviados pelo Governo Federal para todo o país. Esses materiais e insumos servem para garantir a proteção de profissionais de saúde que estão na linha de frente do enfrentamento ao coronavírus como luvas, máscaras, sapatilhas, aventais entre outros.

De acordo com o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, nenhuma localidade que precise, vai deixar de receber ajuda do governo. “Nenhum estado, nenhuma cidade, nenhuma região será esquecida. Leitos estão sendo habilitados, os recursos continuam sendo repassados e os materiais, assim que nós completarmos a linha de produção, vamos distribuir”, afirmou.

O Ministério da Saúde divulgou um endereço eletrônico por onde podem ser conferidos os Leitos e Insumos disponibilizados para cada estado e dividido por grupo. Esse site tem o objetivo de informar à população tudo o que foi comprado ou doado e distribuído para o enfrentamento da pandemia. Para ter acesso aos dados, basta entrar no endereço saude.gov.br/coronavirus.

Desta forma é possível acompanhar, por exemplo, como está a distribuição de respiradores para o estado do Pará, acompanhar a atualização de envios de testes para detecção da Covid-19 para o Distrito Federal ou mesmo a quantidade de leitos de UTIs locados em Santa Catarina. O painel foi montado pela equipe do Departamento de Monitoramento e Avaliação do Sistema Único de Saúde e os dados são atualizados à medida em que os itens são adquiridos e distribuídos pelo órgão.

O painel de leitos e insumos apresenta um mapa interativo no qual é possível conferir os dados por localidade ao passar o cursor do mouse por cima do estado desejado. As informações estão divididas por nove gráficos: número de leitos alugados, que são os leitos volantes de instalação rápida; leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) que pertencem ao SUS ou pertencentes a unidades privadas; kits de testes rápidos para o diagnóstico da Covid-19; e insumos como, máscaras, álcool, aventais, óculos de proteção, toucas hospitalares, entre outros mais.

A pesquisa pelo painel também pode ser realizada por tipo de insumo ao invés de ser feita por estado, desta forma o painel vai apresentar os locais onde foram distribuídos – o que pode variar, pois nem todos os estados receberam os mesmos equipamentos ou insumos.

Um exemplo dessa distribuição é a forma como os testes para detecção do coronavírus é realizada. O secretário substituto de Vigilância em Saúde, Eduardo Macário, explica que “em relação ao quantitativo de testes rápidos distribuídos por Unidade Federativa, nós temos um cronograma de 46 milhões de testes que serão distribuídos em cinco fases distintas operacionais. Já estamos na fase 2, em que estamos iniciando a parceria público-privada, que prevê a distribuição de até sete milhões de testes RT-PCR e de nove milhões e meio de testes sorológicos”.

Neste momento de emergência na saúde pública, o Ministério da Saúde afirma que está apoiado os estados e municípios na aquisição e distribuição de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e, também, outros como respiradores. Apesar disso, existe uma demanda mundial por conta da pandemia, o que dificulta a produção e entrega desses insumos no cenário internacional, mesmo após o Ministério da Saúde firmar contratos.

De acordo com o órgão, essa compra de Equipamentos de Proteção Individual é de responsabilidade dos estados e municípios. Logo, essa ajuda do Governo Federal é uma forma de utilizar seu poder de compra para fazer as aquisições em apoio aos gestores locais do Sistema Único de Saúde (SUS), fortalecendo a rede pública de saúde no enfrentamento à doença em todos as cidades do país. Então com a gradativa normalização dos mercados, a expectativa é que os gestores locais consigam novamente abastecer seus estoques com recursos que já são repassados pelo governo, além dos próprios.

Um ponto importante de se ressaltar é o de que esses Equipamentos de Proteção Individual são usados por profissionais de saúde fazem o atendimento direto ao paciente, como médicos, enfermeiros e técnicos em enfermagem, além da equipe de suporte. São de uso individual e se destinam a proteger estes profissionais de possíveis riscos de contágios.

Portal Gazeta do Amazonas (Reprodução autorizada mediante citação do Portal Gazeta Do Amazonas )

Foto: Divulgação