ELEIÇÕES 2022: A Direita precisa estar atenta, vigilante e atuante

11 de outubro de 2021 19:10

Por Julio Cesar/Foco no Fato

A popularidade do Presidente Bolsonaro não está se refletindo nas pesquisas de opinião pública, não podemos entrar nessa bolha e julgar que todas estão erradas, existe uma massa silenciosa e até envergonhada que não se manifesta, mas, vota.

Não é razoável entrar numa ZONA DE CONFORTO e acreditar que a eleição de 2022 será fácil, que vamos desmoralizar todos os institutos de pesquisa e contrariá-los, muito pelo contrário, teremos um pleito duríssimo e vamos precisar conquistar corações e mentes para poder vencer. Erra quem pensa diferente disso.

Existe hoje no Brasil uma massa de eleitores da esquerda que são envergonhados, não se manifestam publicamente, não participam de manifestações, mas, votam e respondem a pesquisadores sendo on-line ou presencial, pode estar aí um diferencial que poucos acreditam, mas que não pode ser desprezado. Eu por exemplo estou começando a não brigar mais com os números de pesquisa, por mais absurdos que possam parecer.

Como todos sabem, estou andando no interior do estado do Amazonas acompanhando o Coronel Menezes numa JORNADA DO BEM, nessas cidades do nosso interior, com internet deficiente, inexistente, as informações que chegam geralmente são das TV’s abertas, a GLOBO tem sinal em todos os municípios brasileiros, ela faz o que chamamos de “comunicação de massa” e suas pautas são simplesmente estarrecedoras contra o Presidente Bolsonaro, eles criam fatos inacreditáveis, constroem narrativas que são de envergonhar qualquer pessoa com o mínimo de capacidade de discernimento, entretanto, são essas notícias que chegam aqueles que são menos favorecidos, é uma verdadeira lavagem cerebral, não há trégua, é um massacre de falsas informações diariamente.

As eleições de 2022 não vão deixar espaço para o “romantismo”, não haverá uma outra facada, fato que colocou o Presidente Bolsonaro diariamente em todos os noticiários do país e ocupou o espaço do horário eleitoral. Em 2018 o PSL não tinha fundo eleitoral e nem tempo de TV, agora será diferente, Bolsonaro vai precisar de todos os esforços e armas disponíveis, terá que utilizar tudo o que for possível para entrar nessa disputa que será desigual, as esquerdas estão ávidas pela retomada do poder e eles não querem apenas vencer as eleições, desejam e alimentam um sentimento de vingança. Podemos esperar o pior se eles vencerem.

A Direita precisa cumprir o seu papel com inteligência, aliar-se com os partidos de centro e que dão sustentação política ao governo, usar o fundo eleitoral, ter o maior tempo de TV possível no horário eleitoral e poder levar a todos os brasileiros, do Oiapoque ao Chuí, as informações das conquistas promovidas nestes últimos três anos de governo, essa será a forma de levar para todos a “COMUNICAÇÃO DE MASSA”. A era romântica já acabou, vamos entrar agora no pragmatismo político, temos uma eleição para vencer, não podemos arrisca-la por conta de picuinhas e convicções que estão desconectadas da realidade.

O lema agora é: VENCER OU MORRER! Porque a esquerda se vencer, vai nos matar….. As pesquisas podem estar certas, será?

Que phase!

 

Portal Gazeta do Amazonas (Reprodução autorizada mediante citação do Portal Gazeta do Amazonas )

Foto: Reprodução/Internet